BUSCA

CADASTRE-SE

Assine a nossa newsletter e conheça as novidades da Quarteto Editora.

ESTUDOS CULTURAIS

Clique na imagem para aumentar. R$ 28,00 + frete COMPRAR

Atenção:

Os preços atribuídos aos produtos estão sujeitos a alteração sem comunicação prévia. O atendimento aos pedidos está condicionado à disponibilidade do estoque da editora e de seus fornecedores.

Disponibilidade e envio:

O envio das mercadorias disponíveis ocorrerá em até 05 dias úteis + prazo determinado pelo frete conforme disponibilidade em estoque.

AFROPLAGICOMBINADORESCIBERDÉLICOS: AFROCIBERDELIA E PLAGICOMBINAÇÃO NAS LETRAS DE CHICO SCIENCE E NAÇÃO ZUMBI

Autor(es):

SANTOS, José Henrique de Freitas.

Assunto:

Música. Multiculturalismo

Sinopse:

Afroplagicombinadores. A palavra-valise que dá título a este ensaio retém, além do trava-línguas de corte concretista, as múltiplas linhas de força e um leitmotif do movimento Manguebeat: desorganizar para organizar e organizar para desorganizar. Com a emblemática imagem de “uma antena parabólica enfiada na lama”, metáfora das circulações descontroladas dos bens de consumo e, sobretudo, dos bens simbólicos, implicados na inserção do Brasil na mundialização da cultura, os mangueboys e girls, sintonizados em torno de Chico Science & Nação Zumbi, Mundo Livre S/A e vários outros, desorganizaram, a partir da esquina das décadas de 80 e 90, as tradicionais formas de invenção das identidades culturais do Nordeste, antes imaginadas a partir do avarandado da Casa Grande de Gilberto Freyre, porém com raras e intempestivas rasuras, como o Movimento Tropicalista nos anos 60 e as marronagens culturais do blackitude soteropolitana detonada nos anos 70. Parafraseando Silviano Santiago, o Manguebeat articula-se como expressão do “cosmopolitismo dos pobres”, posicionando-se sem pruridos nacional-populistas nos trânsitos entre o local e global, o mocambo e o asfalto, o rap e o maracatu, tambores e samplers; interconexões espaciais (manguezais e rede mundial de informações, zona da mata, Kingston, CBGB, Alto Zé do Pinho) e temporalidades diversas (tradições populares e cultura pop, samba esquema noise, Josué de Castro e Neuromancer, afaias e tecnologia high tech), sem cair, contudo, no “mito do caldeirão cultural” ou na tradição defensiva que folcloriza e recalca a dinâmica das culturas populares. Esses malungos, economicamente marginalizados e interessados em quadrinhos, cibercultura, Bezerra da Silva, conflitos étnicos e na circulação mundial de conceitos pop, mergulharam o Brasil no presente e reinterpretaram mitos, notadamente aqueles do regionalismo, o qual buscava no “interior da cultura popular” a reserva intocada do nacional.

  • ISBN: 8587243500
  • Edição: 1ª edição
  • Ano: 2006
  • Páginas: 144p.
  • Peso: 204g
  • Tipo de Capa: Brochura
  • Dimensão: 15x21,5cm
Quarteto Editora © Quarteto Editora 2012-2017. Todos os direitos reservados.

Loja Salvador - Bahia

Av. Antônio Carlos Magalhães, 3213, Golden Plaza, sala 702, Iguatemi - Salvador/Ba
CEP: 41275-00

Atendimento e Vendas

(71) 3452-0210 contato@editoraquarteto.com.br

Institucional